Todos os textos publicados neste blog são de autoria de Lilian Honda, exceto quando indicado o contrário (e, nesses casos, serão dados os devidos créditos ao autor).

Twitter:
LilianHonda

Histórico

 Ver mensagens anteriores

Conheça meu outro blog
 ponto, afinal





O que é isto?




Textos anteriores

Post jurássico, o revival

Sinais de fumaça - Orkut

Inquietação da semana

Se non è vero...
[Homero, Aristóteles e realismo]


Mãe, tou na USP. Sim, de novo...

Ah, verão...

De paixão, arrebatamento e fio dental

O penico de Napoleão

Corrientes, 349
1 ano e 1 mês...
Em busca da simplicidade "zen" pênis


Corrientes, 348

Women's Lib

Menina da estatueta de ouro

Consultando as bases

Prefiro a bruxa malvada

Pena de morte para bermudas

Arquivo de 9 a 15/01/2005
Churrasco de Branco
O preferido do público


Mentiras sinceras interessam

Vale de lágrimas

Sobre omeletes, ovos e corações partidos

Beleza interior

Leonina

Desatino fashion

Ecochatices

Que venham os moços

Underwood

Arquivo de 27/6 a 03/07
Ser ou não ser pataxó
Quadrilha e contravenção


Vaca fria

Marcianos invasores de corações

Homem tarado. Procura-se

Queria ser um "dos caras"

Faça você mesmo, nunca mais

Saudades da encoxada na pia

Arquivo de 18 a 24/04
Galinheiro jurássico
Vamos brincar de outra coisa?
Não funciono mais em blushing mode


Arquivo de 11 a 17/04
Podemos escolher o Johnny Deep?
Brochamos inapelavelmente
Felicidade prêt-à-porter
Solidariedade
Correndo com o mínimo de classe


Arquivo de 04 a 10/04
Quero ser musa
Dona Olga e a história da arte contemporânea
E viva a diversidade!
Virtualmente irresistível
Parte 3 - Caindo na real
Virtualmente irresistível
Parte 2 - A abordagem


Arquivo de 28/3 a 03/04
Virtualmente irresistível
Parte 1 - Curso básico
Barraco
Metrossexual é coisa de mulherzinha
Casa da luz vermelha
E agora?


   
mal traçadas
 

Novo blog

A convite do portal YuBliss, abri um novo blog por lá. Por enquanto, estou dando expediente neste endereço:

Mal Traçadas no YuBliss



 Escrito por Lílian Honda às 16h31 [ ] [ envie esta mensagem ]



Lançamento: "O Rei do Cheiro"

Meu querido mestre, João Silvério Trevisan, está lançando um novo romance.

Sobre o livro, João me escreveu dizendo: "Rei do Cheiro é bem diferente do que já fiz. Aliás, é assim que gosto: começar minha literatura do começo, a cada novo livro. Mas está muito violento, tanto na abordagem temática quanto no desenvolvimento estilístico".

João estará autografando o livro em 28 de agosto, sexta-feira, às 20h, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional (S. Paulo/SP).



 Escrito por Lílian Honda às 12h25 [ ] [ envie esta mensagem ]



Lançamento

Meus queridos Cecília França e Pedro Akim Botovchenco lançam hoje seu livro

 

"Teresa, o mito da menina mulher".


A sessão de autógrafos será na Livraria Cultura do Bourbon Shopping Pompéia

Rua Turiassu, 2100, São Paulo (SP), às 19h.

 



 Escrito por Lílian Honda às 13h27 [ ] [ envie esta mensagem ]



De despojada a “homeless”, sem escalas

Hoje experimentei a coqueluche do momento: a tal da maquiagem mineral. Custa uma fortuna que jamais gastaria sem poder fazer antes um teste gratuito. Mesmo porque nunca acreditei em milagres, sobretudo os da cosmética.

E fiz bem. O resultado foi... de maquiagem. Nada mais, nada menos que maquiagem relativamente carregada  e isso que eu havia aplicado um primer em casa, o que dá um aspecto mais uniforme à pele.

O problema não está, evidentemente, nos produtos. O diabo é que, depois dos 40 e tra-lá-lá (uma razoável quantidade de tra-lá-lás, diga-se de passagem), fico procurando uma espécie de restauro infalível que elimine essa sensação de suave desencanto diante do espelho  que, dependendo do astral, vira de espanto mesmo.

A genética não é madrasta comigo, mesmo assim me recuso a entrar numas de dizer que estou melhor do que nunca fisicamente. Isso é balela, negação da boa. Posso até me considerar “melhor” emocional ou culturalmente, vá lá, mas duvido que o predicado se aplique com precisão, porque creio ter ficado apenas diferente nesses quesitos.

Em relação à beleza, não dá pra comparar com o frescor dos 20 ou 25 anos. Sem chance. O esforço todo está em parecer bem, a despeito do acúmulo de décadas.

E bota esforço nisso. Até os 25 anos, qualquer mulher pode sair de casa embrulhada num molleton velho que será considerada despojada. Depois dos 35, se ousarmos sair desse jeito, passamos da categoria “depojada” diretamente para a de “homeless”, sem escalas.

Daí que é necessário morrer com uma grana boa em roupas bem escolhidas, sapatos excelentes, uns fármacos para a pele, quilos de filtro solar e a inevitável maquiagem, sempre que botar o nariz porta afora. Sem falar em corte e tintura nos cabelos. Caso contrário, pode apostar: o povo vai praticamente ver você empurrando o carrinho de supermercado cheio de latinhas pra reciclar.

Para não dizer que não falei das cores: usei base e corretivo minerais, que são em finíssimo pó. Excelente cobertura, acabamento mate, toque delicioso na pele. Acho que farão maravilhas em peles oleosas. Nas peles maduras e secas, como a minha, achei que marcam um pouco demais certos amarrotadinhos da idade. Ou tou viajando na maionese, sei lá. Em todo caso, ainda prefiro as bases cremosas e leves, ou apenas um filtro solar tinto. Simplesmente não uso corretivo na pálpebra inferior. Fico com a impressão de que vira uma persiana! Tá certo, tá certo... exagero meu. E pó compacto ou solto, nunca usei. É um desastre visual em peles muito secas.



 Escrito por Lílian Honda às 22h09 [ ] [ envie esta mensagem ]



"Simples assim" é o cacete

 

Ultimamente, tenho lido muito as pessoas encerrarem um blá-blá-blá taxativo com um glorioso "simples assim". Com pausa antes, para aumentar o efeito. Peguei horror a isso.

De saída, a má vontade que cultivo em relação a essa expressão é o fato de tratar-se de um indisfarçável e paupérrimo recurso para se colocar acima dos demais mortais interlocutores ou leitores. Na verdade, a pessoa mal está se segurando para dizer: "é tão óbvio, como vocês não perceberam, seus estúpidos?". A (falsa) modéstia impede.

Mas não é só isso. A tal da simplicidade atávica do que foi escrito ou dito não resiste a uma segunda vista d'olhos. Geralmente, o discursinho que antecede o "simples assim" tem os dois pés no meramente simplório. Quase sempre, trata-se de uma pérola do senso comum, repetida orgulhosamente como se fosse um tremendo insight intelectual.

Por fim, fica o mais óbvio: a expressão matreira é um artifício de retórica que pretende (quase sempre sem sucesso) transformar-se na última palavra em uma discussão qualquer.

Como se vê, nada é tão simples assim, nem o "simples assim".


Imagem: mosaico romano - Tragédia e Comédia (a Comédia não tá a cara do Lula, gente?)

 



 Escrito por Lílian Honda às 19h09 [ ] [ envie esta mensagem ]



Desejo

Na livraria, em pé, equilibrando sacolas, bolsas e livros escolhidos ao acaso da leitura de um parágrafo, uma frase, duas ou três palavras de boa combinação. Olhando obsessivamente para os livros do alto, aqueles que não alcanço, e que de certeza serão os melhores, embora eu nem me dê ao trabalho de ler as lombadas. Antecipo o sufocamento, a falta de fôlego que algumas palavras me causam. Não leio os títulos nem autores, mas são aqueles que me escapam os que gostaria de ter. As palavras que me faltam são as que mais quero. Em pé, lágrimas que não escapam por pouco, hera apertando a garganta por dentro. Estão ali as palavras que se ausentam. No alto. A história que nunca lerei é a que mais me comove. Não me passa pela cabeça recorrer aos atendentes desatentos que conversam no balcão ali ao lado. Não saberia o que pedir. Nunca soube o que pedir, provavelmente porque não há palavras para o que quero. O que quis, quis assim, o do alto, o que só posso adivinhar ao longe. Se soubesse o nome, a palavra, então não seria aquilo. As lombadas enfileiram-se, cores, estampas, letras de diferentes famílias, em grupos de três, cinco, dois. A mais fina, a capa preta solitária, com letras que mal enxergo daqui, é aquela que me leva a desejar o livro. O cheiro do livro. Na página que seria aberta ao acaso, estaria lá o trecho que desataria as lágrimas, tão poucas palavras para dizer tanto. Ou nada. Comoção que salta de algumas letras enfileiradas. Não história de amor, não pai que encontra filha perdida. Nenhum fio condutor ou salto para a ficção. Está no alto, onde não alcanço. Quero o salto para o indizível. Quero que me adivinhem.

 

Texto: Lílian Honda
Imagem: Utagawa Kuniyoshi, "Woman Reading", séc. XIX



 Escrito por Lílian Honda às 23h30 [ ] [ envie esta mensagem ]



Até que a morte os separe

Existem amores que se estendem por toda uma vida. Arrisco dizer: "até que a morte os separe" vai além de uma possibilidade. Ou da ficção.

Talvez a dificuldade de reconhecer o grande amor esteja em nosso olhar adestrado pelas acanhadas fronteiras do romântico. O "para sempre" não cabe aí; não é compactado e estético, não é arquitetado para causar efeito, nem é um recorte preciso de autor para as páginas de um livro ainda que tenha sete volumes, como À la Recherche du Temps Perdu; ou mesmo que a muitos qualquer romance pareça uma leitura interminável.

Obra aberta sem a limitação material de nenhum suporte ou roteiro, o amor da vida inteira se faz de meios-tons, delicadezas, sutilezas e detalhes, como um infinito quebra-cabeça composto de minúcias do cotidiano. Não, não é cansativo. Não enjoa e não se desgasta, embora tenha momentos de entediante inverno. Mas é justamente aí, nos invernos, que o grande amor torna-se a xícara de chocolate quente e a manta de lã.

Eu vivo um grande amor assim e nunca escrevi sobre ele. Um quarto de século de convivência ininterrupta, dos quais vinte anos foram vividos sob o mesmo teto. Nunca houve um rompimento, embora eu tenha decidido morar numa casa só minha há algum tempo. Aconteceram, claro, incontáveis discussões, entre tolas e proveitosas, arranhões mútuos na vaidade, narizes torcidos, discordâncias variadas e desencontros de momentum. Somos sócios nos negócios e na existência. Somos, um para o outro, o ponto de certeza mutante suspenso sobre a vida que corre. E eu nunca escrevi para ele.

Um grande amor é, sobretudo, generoso. Cabem outras pessoas nessa massa cálida de afeto. Tive outros homens, até me casei certa vez; também ele casou-se novamente. Brincando à moda do Quintana, eu o amo tanto que até pela mulher dele sinto um certo quebranto. É sério: somos amigas, verdadeiramente. Já enxugamos as lágrimas uma da outra, fazemos piada uns dos outros, rimos muito juntos e pobre querido!  freqüentemente eu e ela nos aliamos contra ele nas desavenças. E quem quer que entre nessa história terá seu confortável e exclusivo espaço, porque um grande amor não é táxi, que baixa a bandeira quando tem um passageiro.

Não vou aqui falar sobre as influências que tive sobre ele nesses anos todos. Foram muitas e eu saberia identificá-las perfeitamente e com orgulho. Quero fazer apenas uma prosaica elegia desprovida da métrica, das rimas e da elegância. Trivial como um amor da vida inteira tem de ser.

É ele quem me desembaraça dos emaranhados de todo tipo. É ele quem sempre tem algo certo, reto e profundo para me dizer, sem machucar ou ofender. É ele quem aceita meus repentes, minhas escolhas equivocadas, meus períodos taciturnos e minhas insatisfações crônicas. Reclamando e dando muitos palpites, claro, porque não é santo, mas está sempre lá para acolher sem censuras e proteger, se for preciso.

Empenhei meu lirismo a pessoas e amores transitórios, mas nunca escrevi para este homem fundamental e perene como inscrições rupestres. No entanto, foi ele quem afirmou e reafirmou esta minha vocação (à falta de palavra melhor), antes mesmo que eu pensasse nas letras como uma possibilidade. Assim como sempre valorizou cada uma das minhas virtudes, sem que eu ainda as tivesse percebido.

Ou, quem sabe, eu as fui construindo às virtudes só por saber que ele as tinha inventado. Talvez esteja aí a elegia concreta que pude oferecer.


Texto: Lílian Honda
Imagem: Klim, Embrance



 Escrito por Lílian Honda às 14h43 [ ] [ envie esta mensagem ]



Alguma coisa acontece no meu coração...

A foto que ilustra esta página é de minha autoria e saiu no site do X Congresso Internacional da Cidades Educadoras.

Fez parte da programação do congresso a visita a diversas experiências educadoras paulistanas não relacionadas ao ensino formal, inclusive a inevitável ida à favela, que gringo ama  — não por acaso, o passeio mais concorrido. O sócio foi despachado para a favela de Heliópolis, a associada ficou com a turma que visitou um daqueles CEU-sei-lá-que-bairro-da-perifa e eu escolhi cobrir as "Trilhas do Centro", um passeio guiado pela professora de sociologia da USP, Fraya Frehse, a loura com pose de messias ali da foto. Da escola de samba, porém, não escapei... ossos do ofício.

Pois a Fraya costuma levar os seus alunos para uma interessantíssima redescoberta da cidade, a partir da comparação com os mesmos ângulos fotografados por Militão Azevedo, o célebre autor das mais antigas imagens de sampa. Em cada local, somos convidados a "ver" o que não mais existe e a entender o processo de destruição/reconstrução permamente desse caos a que chamamos de cidade.

O passeio ganhou mais de um significado, no meu caso. O olhar generoso e crítico que Fraya nos convida a lançar sobre as ruas do centro passou ainda pelo filtro da lente, na minha primeira reportagem alone. Largada por conta própria no meio dos gringos, tive que me virar para não perder os lances, para não me perder do grupo, para responder às perguntas dos transeuntes e moradores de rua que juntaram-se a nós e ainda prestar atenção à possibilidade não muito remota de ter meu equipamento roubado. Dirigiram-se a mim em inglês; acabei deduzindo que todo mundo acha que japa com máquina fotográfica na mão é turista estrangeiro.

Para minha surpresa, estive absolutamente zen não só ali, como durante todo o lufa-lufa do congresso, desde o primeiro clique até o final das cerca de 17 horas por dia de vigília. Meu único momento de apreensão, logo no primeiro dia: tudo preto no visor. Liguei o treco? Liguei. Tem bateria? Tem. Quer merda aconteceu?! Ligo pro amigo, que estava em outro canto do "pudim" amarelo do Anhembi: "Essa coisa quebrou! Tá tudo preto". E ele, sem se abalar, sem rir e sem mudar o tom de voz: "Ãrrã. Tirou a tampa da lente?". Gargalhada do lado de cá da ligação. "Ah! Veja só: agora funciona!". Nem vermelha fiquei, viu?

O saldo do congresso, para além dos temas discutidos: um total de 2.300 fotos. Duas ou três belíssimas, a grande maioria delas corretas (o que me deixa muito satisfeita, por enquanto), um punhado de imagens apenas medíocres, uma dúzia de bobagens deletadas (algumas por incompatibilidade de gênios entre mim e meu flash), pés, pernas, braços e costas doloridos e a descoberta de uma disposição e bom humor inabaláveis para o trabalho.

Fisicamente, é um massacre, mas infinitamente menos entediante do que sentar a bunda numa cadeirinha da sala de imprensa e escrever o dia inteiro bla-bla-bla para o qual você não dá a menor bola e que quase ninguém lerá.

Texto e foto: Lílian Honda



 Escrito por Lílian Honda às 20h50 [ ] [ envie esta mensagem ]



Imagem é tudo...

Delicio-me com as ironias da vida.

Depois de anos e anos e anos ganhando a vida às custas do idioma pátrio, resolvi saber que língua é essa e, no final das contas, acabei mesmo me interessando pelo latim, que, como todos sabem, tem um mercado promissor pela frente. E mais: achando que sairia especialista nas minúcias da norma padrão da última flor do Lácio, descobri que o buraco é mais embaixo e infinitamente mais interessante, complexo e dinâmico do que um punhado de regras a decorar.

Depois de tanto tempo de dedicação às letrinhas, fui me interessar por fotografia! Poisé. Comecei a fazer tratamento de imagem e, por fim, me interessei pela captura da dita cuja que - dizem - supera o valor de mil palavras. A conferir.

Minha estréia será amanhã, no X Fórum Mundial Cidades Educadoras, um grande evento que está sendo promovido pela primeira vez no Brasil.

A programação dos três dias de fórum é ótima, para completar o agito, emendarei com a Virada Cultural, de modo que não garanto sobreviver para contar as eventuais besteiras que irei perpetrar. Ou não, se tudo for como nos "ensaios" e eu puder meter uns "cacos" no script. Afinal, a vida costuma ser puro improviso.

 



 Escrito por Lílian Honda às 23h54 [ ] [ envie esta mensagem ]



Um pé na cova, outro na casca de banana



No final do século XVI, Francis Bacon dizia que a ciência deveria fazer sua entrada triunfal na passarela da vida cotidiana. Entrou apoteoticamente, como todos sabemos, mas já está atravessando o enredo.

E sabe quando a gente percebe que o cientificismo, o racionalismo, o capitalismo e outros ismos correlatos estão com um pé na cova e outro na casca de banana? Quando vai descascar uma bananinha (literalmente falando) e dá de cara com um selo colado na fruta: "Banana Biodinâmica".

De tanto rir, quase engasguei com o pedaço que já estava na boca. Caprichosamente, descolei o tal selinho (impresso em cores, claro) e guardei entre as páginas de "São Bernardo", do Graciliano Ramos, que reli ontem, inteirinho, com inenarrável prazer e também com um sorriso irônico estampado nas fuças.

E que relação tem o livro do Graciliano com a banana "de última geração"? Ah, se soubesse da novidade agrícola, Paulo Honório, o protagonista-narrador e bem acabado monumento ao homem instrumental, seria o primeiro a plantar um imenso bananal biodinâmico desses (seja lá o que isso significa).

"São Bernardo" e a "Banana Biodinâmica Inc." cruzam suas existências casualmente na mesa da minha cozinha e sobre os escombros da modernidade. Em campos opostos: o livro é a crítica; o marketing da fruta é a representação mais concreta (e comestível) da ausência de senso crítico.

[Em tempo. Arrisco um palpite: "São Bernardo" é um livro de tessitura mais refinada e infinitamente mais sutil que o consagradíssimo "Vidas Secas". Os fãs da Baleia (a cachorrinha, tá? Não custa esclarecer) que me perdoem a ousadia.]



Texto: Lílian Honda
Imagem: Não faço a mínima idéia de quem seja o autor... mas ficou chiquita-bacaninha, não?



 Escrito por Lílian Honda às 00h40 [ ] [ envie esta mensagem ]



Questão de interpretação

Quem me conhece, sabe: não tenho a menor vocação para vítima. Ao contrário, quando me aprontam alguma viro um mix de exu com medéia com cérbero com cão-chupando-manga e com furacão Katrina ou de outro nome feminino qualquer. Mas passa. E rápido.

Nas verdadeiras dores, prefiro o recolhimento e só a fronha de algodão egípcio de 400 fios conhece o resultado. Lembro-me do tempo da terapia, em que eu olhava com o maior desdém praquela indefectível caixa de lenços de papel que o doc mantinha por perto. Sempre achei quase um desaforo ele pressupor que eu fosse chorar na frente de alguém. Nunca o fiz. Nem na morte do meu pai.

Por isso mesmo, foi com surpresa e humor que li algumas (poucas, diga-se de passagem) manifestações sobre o texto "Bacantes", logo abaixo, que o condenavam severamente, ou ao meu porre ou, no mínimo, que ele tivesse virado tema de algo publicável no bológue, qualquer coisa assim. Como não sou besta, não aprovei os comentários, claro. Imagine que vou deixar críticas pessoais a mim aqui no meu espaço! Nem morta... e tou bem longe disso, se meus planos de viver para sempre continuarem dando certo como tem acontecido até agora.

Minha surpresa ficou por conta da questão da interpretação. Quando escrevi a croniquinha, estava leve e contente com a vida. E mais: estava me olhando com uma ironia ligeiramente condescendente, porque costumo ser muito boazinha comigo mesma — e com todo o mérito, segundo meus critérios imparciais de julgamento. Estava achando toda a situação engraçada: o bidê, os pensamentos brincando de esconde-esconde, ter esquecido de comer (o que seria uma benção pra qualquer mulher normal), o contraste do bordeaux com o branco e até a relativa falta de consciência da falta de consciência.

Mas os gatos pingados mais furibundos acharam degradante, barraco ou vitimização. A mais severa crítica me condenou a nudez!!! Minha gloriosa e gostosíssima nudez, na privacidade do meu lar, vejam só.

O que me levou à pergunta: será que um porre eventual feminino dentro de casa é sinal de inevitável decadência, ao passo que uma bebedeira masculina, em público, cheia de vexames e constrangimentos, é normal e divertida? Ou, ainda: será que vulnerabilidades ou pés-na-jaca não têm mais espaço nem alguma graça no mundo dos romances-de-resultados e da euforia perpétua obrigatória?

Algumas teorias literárias dizem que o leitor faz o texto ao ler, tanto quanto o autor. Estou longe de afirmar com isso que meus singelos rabiscos sejam literários, mas o ponto permanece válido: cada um lê o que quer e projeta algo de si nas palavras alheias. É o que posso concluir das reações mais iradas — nem por isso menos hilárias.

Imagem: Marcello Dudovich, L’attesa (1920-25)



 Escrito por Lílian Honda às 02h01 [ ] [ envie esta mensagem ]



Bacante

Como todo mundo já deve estar orelhudo, dentuço e com rabo de pompom branquinho de saber, a Páscoa é associada ao renascimento. Pois não é que tive uma experiência similar uma semana antes, mas de outro naipe religioso, por assim dizer?

Fui acometida de uma epifania mitológica greco-lat(r)ina. Em certa noite, fui para a cama com uma garrafa de bom vinho tinto chileno e a taça de pé azul, de que tanto gosto, para ouvir música. Melodia vai, golinho vem... e, algum tempo depois, lá vou eu para o banheiro, num caminho mais tortuoso e longo do que o habitual, ajoelhar-me nua aos pés do bidê. Já aí tem um “quê” de religioso no ato, reparem.

Como não havia comido nada há umas 36 horas, deu-se a olímpica magia de minha transformação num chafariz de Διώνυσος. Podre de erudito, não? Traduzindo: tá escrito ali Dionísio. Ou Baco, para os íntimos. E, cá entre nós, nada mais íntimo do que verter um líqüido bordeaux debruçada sobre a louça branca. O contraste é lindo, não pude deixar de notar, ainda que com a rarefeita atenção de que fui capaz.

Pois na forma desta fonte dionisíaca, juntamente com o vinho fui despejando ele, ela (essa engasgou um pouco, devido ao volume), a traição, a frustração, as mágoas e o ódio, tal qual uma pitonisa às avessas, que em vez de revelar um vaticínio devolve ao mundo acontecimentos passados de nenhuma glória, devidamente reprocessados pelos meios e ritual que lhe caem melhor.

In vino veritas. E o que for mentira e ardil vai com ele esgoto abaixo.

Eu poderia jurar que tudo havia sido obra de duas únicas taças, mas a prova era irrefutável: a garrafa estava vazia. Eu, idem. Novinha em folha (de parreira) daquela madrugada em diante (tá, tá... meio amarrotada no dia seguinte, mas rediviva).

Só mesmo um deus risonho e festivo (e bêbado, diriam alguns) para transformar um porre em uma Dionisíaca Pascal Urbana, a mais completa tradução paulistana de um ritual clássico.

 

Texto: Lílian Honda
Imagem: George O. W. Apperley, El espíritu de la viña (1917/18)

Nota posterior: ai, como tem gente previsível no mundo. Tanto tempo depois, assim que aprovei o primeiro - e gentilíssimo - comentário (assinado apenas pelo e-mail "criteu", a autora veio correndo pedir add no perfil do Orkut. Só faltou dizer "não fui eu, não fui eu". Basta falar no diabo, que ele abana o rabo.



 Escrito por Lílian Honda às 14h02 [ ] [ envie esta mensagem ]



Post jurássico, o revival

Vejam só que coisa: no mês passado, os dinossauros e sua suspeita relação com as galinhas andou de novo circulando pela mídia. Até Ruy Castro comentou na Folha a tal pesquisa da revista "Science", que relatou que uma ligação entre o colágeno extraído do fêmur de um tiranossauro que viveu há 68 milhões de anos nos EUA e o de uma dessas nossas conhecidas matérias-primas de canja. Dizem eles que isso indicaria o que o (outrora) temível T. rex, nas palavras de Castro, "está muito mais para uma galinha do que para os outros répteis de seu tempo". Ruy Castro diz em sua crônica que sempre sempre achou o dino parecido com a ave. Pois eu discordo. Aliás, já discordava antes, como mostra esse texto aqui, publicado neste mesmo espaço, há exatos três anos:

Galinheiro Jurássico

Não, não estou falando de moços da terceira idade, de modo geral, nem de políticos do PFL, em particular. Muito menos de um show reunindo certos ícones da MPB ou do rock. Refiro-me aos lagartões que andaram pelo planeta e têm como star da equipe o Tiranossauro Rex. Por muitos anos, guardei com carinho um desenho do Horácio, aquele T-Rex que só come alface, que o Maurício de Souza fez para mim, depois de uma palestra sobre história em quadrinhos no Museu da Casa Brasileira. Na infância, um dos meus tesouros era um livrão enorme, de capa dura, com um desenho de dinossauro por página.

E já que é dia de confissões, lá vai: adoro filmes trash com dinossauros, daqueles antigos, em que a animação dos bichos é mais fake que seio de top model (nenhuma mulher com 1m80 e menos de 50 kg consegue ter aquele volume todo). O auge da evolução do gênero foi o primeiro "Parque dos Dinossauros", uma delícia de epifania pré-histórica. E atire a primeira pedra quem não teve medo naquela cena em que a água trepidou no copo, enquanto ouvia-se o ruído surdo dos passos do T-Rex que se aproximava do carro.

Também não perco um programa sobre dinossauros no Discovery, mas estou começando a me aborrecer. A paleontologia tá com cara de filme de ficção científica dos anos 50 que engatou a marcha-ré no tempo! Os documentários mais recentes estão cada vez mais parecidos com episódios do seriado "Família Dinossauro", aquele do Dino da Silva Sauro e do impagável Baby, lembram-se?

Em nome da ciência, andam até apresentando o ex-lagarto terrível, o T-Rex, como uma espécie de urubu gorducho, lento e sedentário. De uns tempos pra cá, decidiram que todos os dinossauros são galinhas ou, na melhor das hipóteses, um daqueles jurássicos destaques de carro alegórico de escola de samba, cheio de penas. Admito que morro de medo de galinhas, muito sinistras pro meu gosto, mas agora estou achando que não sou a única. Definitivamente, há cientista por aí em quem penosas despertam terrores ancestrais.

Agora, cá entre nós, falta de respeito tem limite! Fazer um velociraptor igualzinho ao Garibaldo da Vila Sésamo é uma afronta da paleontologia aos monstros da nossa imaginação.

Ilustração: Sandro Baraldi / 2004



 Escrito por Lílian Honda às 00h13 [ ] [ envie esta mensagem ]



Sinais de fumaça

Debret, "Inscrições"

O Orkut é uma delícia de exercício literário. Fuçando o recadário alheio com um belo par de antenas afiadas, escoltada por uns conceitos básicos aristotélicos de verossimilhança e munida de um tico de habilidade para análise do discurso e suas estratégias, com quase nada de imaginação você monta historinhas razoavelmente lapidadas sobre a vida alheia.

Parentese: sim, eu xereto. Por curiosidade pura e simples. Não sempre, claro, e nem a todos, por conta das minhas idiossincrasias xeretícias. E não sou vista pelo Bina do Orkut nem como perfil fake, porque tenho meus truques, que são até muito rudimentares. Qual seria a graça daquele perfil mais falso que bolsa Chanel de desafeta ficar recebendo os patéticos recadinhos do tipo “você veio me espiar”. Nãããooo! Euuuuuu?!. Fecha parêntese.

Aliás, liçãozinha pra lá de básica: quando você lambe a ponta do lápis e rabisca seu bilhete caprichado no escrapedário de algum amigo, virtual e automaticamente montou seu palanque para mais gente – e não foi por acaso. Quem quer tête-à-tête não usa palco, assim como quem quer discrição não sai por aí em look total dourado ou com estampa psicodélica (ô, revival delicioso!). Mas tanto dourado quanto estampas psicodélicas caem muitíssimo bem na circunstância adequada. Se você sabe disso, também sabe porque está escrevendo um scrap.

 



 Escrito por Lílian Honda às 13h11 [ ] [ envie esta mensagem ]



Inquietação da semana

"Seguindo os passos do casal de astros Angelina Jolie e Brad Pitt, a cantora pop norte-americana Britney Spears quer ter seu próximo bebê na Namíbia."

O que rola na Namíbia? Nossa Senhora do Bom Parto fixou residência por lá?!



 Escrito por Lílian Honda às 17h16 [ ] [ envie esta mensagem ]